Férias no começo do ano alerta para a vacinação contra o sarampo

3 de janeiro de 2020

O período de férias na passagem do ano de 2019 para 2020 e a aproximação do Carnaval pede atenção especial em relação ao sarampo. Nos locais com aglomerações e o aumento no fluxo de pessoas para viagens e aos passeios aumentam os riscos de contágio para aquelas que ainda não estão imunizadas contra esta doença altamente transmissível. Para se proteger é fundamental estar com a vacinação em dia, sobretudo para quem vai se deslocar para outros municípios e regiões dentro ou fora de Minas Gerais onde há a circulação do vírus, incluindo em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, e na região Nordeste, além do deslocamento ao exterior.

 

A transmissão do sarampo acontece diretamente de pessoa para pessoa, através de gotículas do nariz, boca ou garganta. Entre os principais sintomas estão como: febre, manchas avermelhadas no corpo, tosse, coriza, conjuntivite, fotofobia e pequenas manchas brancas dentro da boca. A doença pode evoluir para formas mais graves, incluindo encefalite, pneumonia e até a morte, seja em crianças desnutridas e menores de um ano de idade.

 

Conforme a orientação do Coordenador de Doenças e agravos transmissíveis da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Gilmar Coelho, a melhor forma de evitar surtos e a transmissão do sarampo é manter a população protegida por meio da vacinação nos períodos de festividades e viagens. “Estão suscetíveis à doença todas as pessoas que não foram imunizadas, independente da idade. Portanto, todos aqueles que pretendem viajar e que não possuem todas as doses necessárias devem receber a tríplice viral no prazo de 15 dias antes da viagem, para sua completa proteção e aos familiares”, afirmou o coordenador.

 

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza a vacina tríplice viral como principal forma de prevenção contra o sarampo. Todas as crianças devem receber a chamada “dose zero” aos seis de meses de vida, no qual a primeira aos doze meses e a segunda com quinze meses. Já os adolescentes e adultos até 29 anos devem estar imunizados com duas doses, para a população na faixa etária de 30 a 49 anos uma única dose é o necessário.

 

Fonte – Agência Minas / Foto Divulgação Pixel.